quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Aos caminhos, eu entrego nosso encontro


Não me aproximo porque, veja bem, sabe lá quem habita a tua solidão. Hesito. Recuo. Me afasto tristíssima. E te imagino em poses e sorrisos, voz grave e cabelos desgrenhados, preso nas minhas fantasias mais loucas e movimentadas. Numa delas sou um bichinho invisível, com asas, que adentra tua casa e te observa em segredo. Faço o contorno do teu corpo todo com os olhos, parada contra a parede do teu quarto, imóvel, enquanto tu te atiras na cama. Cansado. Tu olhas para o teto imaginando mil coisas, memórias, compromissos, desejos, saudades. Te fito com dor. A luz do abajur faz sombra na tua pilha de livros, que folheei um dia e quis pedir emprestado mesmo sabendo que não havia intimidade para pedidos. Por razões que desconheço, nossas aproximações foram sempre pela metade. Interrompidas. Um passo para a frente e cem para trás. Retrocessos. Descaminhos. Procuro sinais de algum amor teu. Vestígios de noites passadas. Tu não me vês, estou incógnita a te observar. Como sempre estive, olhando pelas janelas, de longe, coração apertado. Nós poderíamos ser amigos e trocar confidências. Assistiríamos a filmes, taça de vinho nas mãos, e tu me detalharias as tuas paixões e desatinos. Nós poderíamos ser amantes que bebem champanhe pela manhã aos beijos num hotel em Paris. Caminharíamos pela beira do Sena, e eu te olharia atenta, numa tentativa indisfarçável de gravar o momento e guardá-lo comigo até o fim dos meus dias. Ou poderíamos ser apenas o que somos, duas pessoas com uma ligação estranha, sutilezas e asperezas subentendidas, possibilidades de surpresas boas. Ou não. Difícil saber. Bato minhas asas em retirada. Tu dormes, e nos teus sonhos mais secretos, não posso entrar. Embora queira. À distância, permaneço te contemplando. E me pergunto se, quem sabe um dia, na hora certa, nosso encontro pode acontecer inteiro. Porque tu és o único que habita a minha solidão.

Paula Pfeifer

P.S.: É engraçado quando você encontra alguém que traduz exatamente o que querias dizer. É como se você não estivesse só...

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

A hora da estrela


"- Por que é que me pede tanto aspirina? Não que eu esteja reclamando, embora isto custe dinheiro.
- É para eu não me doer.
- Como é que é? Hein? Você se dói?
- Eu me doô o tempo todo.
- Aonde?
- Dentro,não sei explicar."

Clarice Lispector e sua simplicidade assustadora para falar de coisas complexas. Ela me assusta...

domingo, 5 de dezembro de 2010

Activia e Red Label

Naquela noite Dra. Vani estava disposta a resolver seus problemas financeiros. Iria de qualquer jeito angariar uns clientes para seu consultório. Banhou-se com candura. Vestiu-se com esmero. Pôs nos pés "seu rico scarpin amarelo". Gastou as últimas gotas de seu perfume importado. Penteou seu cachos tinturados com delicadeza. Partiu para a batalha.

Chegou ao Bar de Geraldo e acomodou-se numa mesa perto de um suposto casal. Os dois riam sem parar. E não era um riso sutil... eram gargalhadas sonoras que chamavam a atenção de todos os clientes. Pareciam muito felizes. Ela então pensou: "Esses aí não parecem ter problemas. Não são clientes em potencial". Ficou ali a observar, tentando identificar gente infeliz. Passada meia hora ela ouve um daqueles dois supostamente muito felizes dizer ao garçom que lhes servia mais uma dose de caipirinha:

- A gente só quer a dobrada, porque a tristeza hoje é grande! Quanto maior a tristeza, maior tem que ser a dose!

Eles repetiam aquilo e riam nervosamente. O garçom, que parecia lhes conhecer de longa data, obedecia sem questionar e trazia as tais "dobradas", que eram exclusividade daquela mesa. O radar da Dra. logo apitou e ela se aproximou dos dois para escutar melhor a conversa.

Falavam coisas que só eles pareciam compreender. Aparentemente se queixavam de amores mal sucedidos. Para entender melhor o que falavam era necessário muita atenção e sensibilidade. Precisava ler nas entrelinhas e abstrair os palavrões.

- Aquele desgraçado cagou um quilo certo na minha cabeça. Fui humilhada!!! (A mulher repetia como um disco riscado).

O amigo só ria e dizia:

- Ô amiga... e eu? Tive que enfiar a cabeça no c... e dar cinco voltas! Me humilhei também!!! A gente paga!!! (Gargalhavam sacudindo os corpos e jogando as cabeças para trás. Se abraçavam e pediam mais uma "dobrada"). - Me dá mais uma dose de tristeza! A gente só tá bebendo assim porque tá triste! Isso não é cachaça não... é tristeza fio!

O garçom já não ria mais. Já passava das quatro da manhã e eles não iam embora. Só restavam eles e a Dra. sentados no bar. Ela encorajou-se e perguntou pra um deles se podia se juntar à mesa animada. O rapaz logo respondeu:

- Claro ninha... sente aí. Mas eu vou logo te avisando que a gente hoje tá triste!

Dra. Vani disse que não se importava, que estava a observá-los fazia tempo e que precisava de companhia também. Engatou uma conversa sobre essas coisas do coração, que ela conhecia bem. Desilusões eram sua especialidade. Falava do assunto com conhecimento de causa. Dispunha de uma vasta lista de episódios que poderia compartilhar e... lamentar.

A conversa se entendeu até as seis da manhã. Riram e beberam a noite inteira, dizendo que aquilo era "trsiteza". Os garçons foram embora e só restou Geraldo, dono do bar, que conhecia bem a dupla e os considerava clientes especiais. Ficaria ali até que eles desistissem. Uma hora eles se renderam. Quer dizer, tiveram que se render: acabou o limão, acabou o kiwi, acabou o morango. As dobradas já eram. Foram vencidos pela carência de matéria-prima para suas "tristezas".

Depois de muito ouvir sobre os dilemas e problemas da dupla e compartilhar os seus, na despedida, Dra. Vani - que já havia conquistado sua confiança -, sacou seus flyers e os convidou para comparecerem ao seu consultório naquela tarde. Disse que os aguardaria para uma consulta "sem compromisso" e que os ajudaria a vencer suas dificuldades. A mulher, num riso sarcástico guardou o papel na bolsa e disse:

- A gente já faz terapia! A gente faz a terapia do "activia e red label". Você não conhece?

Dra. Vani, tão antenada com as novas tendências da psicoterapia, se surpreendeu. Nunca ouvira falar em algo parecido. Seria alguma nova droga lançada pelo mercado farmacêutico? Seria alguma técnica revolucionária criada por algum nerd americano? Constrangida com sua ignorância no que se refere às novas tendências de sua área competência, respondeu cabisbaixa:

- Não, essa eu ainda não ouvi falar...

A dupla ri escandalosamente e grita, se distanciando:

- É a terapia do "cagando e andando" para os problemas. A gente vai te mostrar agora!

E sairam rindo e fazendo uma coreografia que mais parecia a "dança da galinha" (aquele hit do Luiz Caldas nos anos 80), indo pra frente e pra trás.

Num misto de incredulidade e alívio, Dra. Vani também soltou uma gargalhada e se foi, certa de que eles apareceriam no seu consultório no dia seguinte. Tinha enfim encontrado seus clientes ideais.

Pitadas de Caio F. - Parte II

"Venha quando quiser, ligue, chame, escreva - tem espaço na casa e no coração, só não se perca de mim."

"Tudo é ilusão, tudo é só estrada que corre e corre, e todas as estradas vão para o mesmo lugar. Que as paisagens dessa estrada sejam belas, então."

"Que a maneira mais absoluta de aceitar alguém ou alguma coisa seria justamente não falar, não perguntar - mas ver. Em silêncio."

"Às vezes a gente vai-se fechando dentro da própria cabeça, e tudo começa a parecer muito mais difícil do que realmente é. Eu acho que a gente não deve perder a curiosidade pelas coisas: há muitos lugares para serem vistos, muitas pessoas para serem conhecidas."

"É assim o nosso ciclo. eu te preciso. perto, longe, tanto faz. preciso saber que tu está bem, se respira, se comeu ou tomou banho - com o calor que está fazendo neste verão, tome pelo menos uns três ao dia, e pense em mim, estou com calor também."

"Para que não me firam, minto (...) E tomo a providência cuidadosa de eu mesmo me ferir, sem prestar atenção se estou ferindo o outro também."

"Volta que eu cuido de ti e dou um jeito qualquer de tu ficares bom e então nós podemos ir embora(...) qualquer outro lugar onde tu possas ficar completamente bom do meu lado e para sempre, volta que eu te cuido e não te deixo morrer nunca."

"Foi muito lindo tipo ver pela primeira vez e pensar, sem palavras:´eu quero`."

"Que coisa maluca a distância, a memória. Como um filtro seletivo, vão ficando apenas as coisas e as pessoas que realmente contam."

"Dói tanto que não dói mais. Como toda dor que de tão insuportável produz anestesia própria."

"Aprendi que minhas delicadezas nem sempre são suficientes para despertar a suavidade alheia."

"A gente nunca pode julgar o que acontece dentro dos outros."

"Durante algum tempo fiz coisas antigas como chorar e sentir saudade da maneira mais humana possível: fiz coisas antigas e humanas como se elas me solucionassem. Não solucionaram."

"O pó se acumula todos os dias sobre as emoções."

"Sinto muito, mas ele sempre está lá. Incógnito, invisível, inviável. In, enfim."

"Acontece que descargas, não quero parecer alarmista, às vezes entopem. E devolvem justamente aquilo que deveriam levar embora."

"...já não sei o que digo nem o que sinto mas persistirei no que pressinto..."

"Bem na curva onde o pescoço se transforma em ombro, um lugar onde o cheiro de nenhuma pessoa é igual ao cheiro de outra pessoa."

"Não faz diferença se você vem amanhã ou não vem. Desisti de esperar por alguém cuja ausência me faz companhia."

"Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca?"

"Trata-se de uma decepção diferente: não penso obsessivamente, não tenho vontade nenhuma de ligar nem de escrever cartas, não tenho ódio nem vontade de chorar. Em compensação também não tenho vontade de mais nada."

"Não me venha com meios-termos, com mais ou menos ou qualquer coisa. Venha à mim com corpo, alma, vísceras, tripas e falta de ar."

"De qualquer forma, poderia tê-lo amado muito. E amar muito, quando é permitido, deveria modificar uma vida."

"Perdi um pedaço, tem tempo. E nem morri."

"Não vou perguntar por que você voltou, acho que nem mesmo você sabe, e se e perguntasse você se sentiria obrigado a responder e respondendo daria uma explicação que nem mesmo você sabe qual é."

"Porque ver é permitido, mas sentir já é perigoso. Sentir aos poucos vai exigindo uma série de coisas outras, até o momento em que não se pode mais prescindir do que foi simples constatação."

"Quando se deseja realmente dizer alguma coisa, as palavras são inúteis. Remexo o cérebro e elas vêm, não raras, mas toneladas. Deixam sempre um gosto de poeira na boca - a poeira do que se tentava expressar, e elas dissolveram."

"Não se angustie procurando-o: ele vem até você, quando você e ele estiverem prontos. Cada um tem seus processos, você precisa entender os seus. De repente, isso que parece ser uma dificuldade enorme pode estar sendo simplesmente o processo de gestação do sub ou do inconsciente."

"Escolha, entre todas elas, aquela que seu coração mais gostar, e persiga-a até o fim do mundo. Mesmo que ninguém compreenda, como se fosse um combate. Um bom combate, o melhor de todos, o único que vale a pena. O resto é engano, meu filho, é perdição."

"Anyway, me dói a possibilidade de um não, me dói a possibilidade de um silêncio, me dói não saber de que forma chegar a ele, sacudi-lo, dizer "me olha, me encara, vamos ou não vamos nessa?". Bueno, os dados estão lançados, e agora só me resta lavar as mãos sujas do sangue das canções."

"E gosto das tuas histórias. E gosto da tua pessoa. Dá um certo trabalho decodificar todas as emoções contraditórias, confusas, somá-las, diminuí-las e tirar essa síntese numa palavra só, esta: gosto."

"Não sei se será possível à gente escolher as próprias verdades, elas mudam tanto. Não só por isso, nossas verdades quase nunca são iguais às dos outros, e é isso que gera o que chamamos de solidão, desencontro, incomunicabilidade."

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

O debut

Dra. Vani não era uma aluna das mais brilhantes. Poderíamos considerá-la mediana. Não que lhe faltasse inteligência, o que lhe faltava era disposição para os estudos. Sempre foi assim: só estudava o suficiente "pra passar". Faltava às aulas o quanto podia e mesmo quando ia só vivia a "fazer uma social" com os colegas. Era muito popular. A nimadora de festa oficial da faculdade. Se morasse nos EUA seria, com certeza, a rainha do baile.

Quando se formou, ficou desesperada. Não tinha dinheiro pra alugar uma sala e abrir seu consultório. Teve uma crise de consciência e não queria mais explorar o pobre coitado do pai que sustentara suas suas loucuras durante todos aqueles anos. Então teve a idéia de se desfazer de seus bens mais preciosos: uma barraca de praia "luxuosa", que comprou juntando o dinheiro da merenda durante o Ensino Médio; um carro velho, mas cheio de histórias, que a cada km rodado precisava ser empurrado e; uma edição rara do primeiro disco de Sarajane, a moça do "abre a rodinha, por favor!"

Com a grana da venda destes "bens preciosos" conseguiu pagar um mês de aluguel de uma sala, não muito agradável, no nobre bairro da Pituba. A decorou com carinho, usando objetos pessoais que faziam parte de sua coleção de quinquilharias hippies compradas nas praias por onde passava. É... além de tudo a Dra. Vani era conhecida entre os amigos como pseudo-hippie, pois não conseguia sustentar o estilo por muito tempo. Não resistia a um perfume importado e a uma tintura no cabelo. O dinheiro não foi suficiente para adquirir móveis decentes, então pegou uma velha escrivanhinha na casa da avó e no lugar do divã instalou uma rede em seu consultório. Ficou feliz com o resultado, pois daquele jeito os seus pacientes se sentiriam "em casa". Colocou uma plaquinha na porta onde se lia: "Dra. Vani - Tirapeuta Holística". É... eu não escrevi errado, era "Tirapeuta" mesmo e logo todos entenderão o por quê. Ela não queria ser como as outras. E o holística foi parar lá só porque ela achava a palavra "sonora".

Preparado o ambiente, Dra. Vani acordava ao meio-dia e chegava ao consultório às 13 horas, impreterivelmente. Só atendia à tarde, porque quem precisa acordar cedo pra fazer "tirapia" é peão e peão não teria "aqüé" pra pagar seus honorários obscenos, como já dito anteriromente. Na primeira semana não apareceu ninguém. Ela se preocupou, pois precisava garantir o aluguel do espaço no mês seguinte. Foi então que teve a idéia de confeccionar uns flyers divulgando seus serviços e distribuir nas boates onde dançava. Peregrinou também pelos bares da Pituba e da Barra, além da praia do Porto e adjacências. Ela escolhia seus clientes a dedo e estava certa de que era nestes ambientes que encontraria os "problemáticos" que necessitariam dos seus serviços. E não deu outra.

Na segunda semana bate à sua porta um cidadão esquisito, com dentes amarelados e bonitos, olheiras fundas, cabelo black power, barba por fazer. O paciente dos sonhos da Dra. Ela abriu a porta e sorriu cortês para o moço ali parado, quase catatônico. Ela o convidou para entrar e pediu que se deitasse na rede.

Dra. Vani (sorridente): - Como tomou conhecimento dos meus serviços?

Black-power (investigando o ambiente): - Peguei um flyer no Bar de Geraldo.

Dra. Vani (tentando lembrar do lugar): - Hum... que interessante.

O Black-power observa o ambiente, levanta-se e brinca com um filtro dos sonhos pendurado na parede. Ela o conduz delicadamente para a rede de novo.

Dra. Vani: - Me conte o que te trouxe aqui.

Black-power (irônico, quase agressivo): - Um jegue é que não foi!

Dra. Vani: - Não foi isso que eu perguntei. Eu quero saber qual é o seu problema, o que te aflige, o que te angustia.

Black-power: -Eu não encontro meu lugar no mundo.

Dra. Vani tem o dom de diagnosticar "logo de cara". E assim o fez.

Dra. Vani (com cara de quem fez uma grande descoberta): - Seu problema é simples de resolver. Eu assisti um filme de um moço que tinha o mesmo problema que você. Ele vendeu tudo o que tinha, queimou parte do dinheiro, colocou uma mochila nas costas e foi pro Alaska. Conheceu um monte de gente bacana, viveu muitas aventuras, leu muitos livros, escreveu suas memórias, aprendeu sobre a vida e as pessoas, emagreceu bastante... morreu e se tornou um herói. Até fizeram um filme com a história dele. Mas eu acho que você não precisa morrer não. Morrer foi exagero da parte dele. (Falava nervosamente, quase em estado hipnótico) Eu acho que você poderia fazer o mesmo. Mudar de ambiente radicalmente. Aqui é muito quente. Você tem cara de que não curte muito calor. O calor dificulta o raciocínio. E tem o suor também. A gente desidrata muito rápido, estraga a pele, envelhece cedo, pode pegar um câncer. Acho o Alaska uma ótima opção pra você. O frio enbranquece, você sabia? E dizem que alisa e clareia o cabelo também. Se metade do povo daqui migrasse pra lá ia ser uma beleza! Todo mundo branco e de cabelo liso sem precisar gastar nada. Além disso lá tem sol à noite... e aquela brancura da neve. Eu adouuuro neve! Nunca vi de perto, mas eu adouuuro! Lá não tem praia... mas tem rio, lago e urso polar. Imagina... viver perto dos ursos polares, em comunhão total com a natureza. Você pode até se engajar nessas campanhas de "Salvem os ursos polares" ou "Salvem a calota polar" e com essa cara... pode até ser garoto propaganda. Ta aí... lá você pode ser ator! Você já pensou em ser ator? Eu acho que você tem vocação pra ser ator. Uma cara bonita, um sorriso encantador, um estilo jovial... tudo que um ator precisa. Mata dois coelhos com uma cajadada só: encontra seu lugar no mundo e ainda ganha de quebra uma profissão glamourosa. Aparece na tv, pode ir no programa da Oprah, no Jô Soares. Podem até fazer um filme com a sua história. Já até vejo os letreiros luminosos a piscar: "Tirapia Holística da Dra. Vani transforma a vida de jovem atormentado". O que te parece?

Ela olha pra rede e o Black-power já não está mais lá. Procura ele pela sala, sem entender o que havia acontecido. Estava achando sua explanação tão convincente, sua idéia tão promissora. Estava feliz por ter encontrado tão facilmente a solução para aquela alma atormentada e ele some sem nada dizer? E o pior... sem pagar a consulta?!! "Tá certo isso??!!" perguntou para si mesma. Ficou revoltada por dois segundos. Depois, pegou seu caderninho de controle de atendimento e anotou "Black-power do Alaska" na coluna "Caridade" com uma nota: verificar nos próximos dois anos manchetes sobre brasileiro que se muda pro Alaska e salva ursos polares. Sua cota de caridade da semana já estava cumprida e com a grande possibilidade de torná-la famosa mundialmente. Restava agora arrumar pacientes pagantes. Fechou o consultório satisfeita, já elaborando um estratagema pra conseguir uns clientes. Lembrou do que o Black disse: -Bar de Geraldo... é pra lá que eu vou!

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Não vá pra cama sem ela


Dra. Vani era dessas psicólogas pouco convencionais. Na verdade, antes de ser psicóloga ela havia tentado ser várias coisas: advogada, administradora, engenheira química, publicitária, médica, atriz, quiroprata, cosmetóloga e astronauta. Entrava e saia da faculdade sem o menor pudor, até que se encontrou na psicologia. Como já era de se esperar, seus métodos não são dos mais ortodoxos. Ela nutria a ambição de ser a "Freud" do século XXI. Iria abalar as estruturas da sociedade com revelações nunca d´antes feitas sobre a natureza humana. As cobaias ela já tinha.

Pois é... as cobaias da Dra. Vani eram seus clientes. Quase não é possível falar deles assim, no plural, porque eram apenas dois. Dois pobres infelizes. Aliás, pobres não... porque os honorários cobrados pela Dra. eram obscenos. Infelizes... talvez. Tenho cá minhas dúvidas. E com uma terapeuta como ela, seus dois únicos clientes eram pessoas, no mínimo, intrigantes. A mulher era aparentemente normal, mas logo na primeira consulta foi diagnosticada com "Complexo de Electra severo". E o melhor... bastou a desgraçada dizer uma única frase: "Não consigo manter um relacionamento por mais de três meses", que a Dra., em sua infinita sapiência, logo a sentenciou. O homem era uma "Telma" (lembram da famosa música do Ney Matogrosso?), que bastou dizer na primeira consulta que "não entendia porque suas ex-namoradas o odiavam" que ouviu da competente psicóloga: "homossexual enrustido que não dá o cu até os trinta, vira mau-caráter". Com esta assertiva, a profissional conquistou o cliente! Vai entender o ser humano...

Com o número escasso de clientes - ela sempre os perdia na primeira consulta e nunca sabia o por quê - Dra. vani fazia bicos como dançarina de arrocha em bares e boates da sua cidade e das cidade vizinhas também. Não era como as Tiazinhas ou Feiticeiras. Não usava disfarces. Não temia ser reconhecida. Sensualizava como ninguém e o que não conseguia de clientes no consultório, angariava de fãs nas boates da vida!

Uma outra informação importante sobre a Dra. é que ela tinha um fixação quase doentia por músicos. Não podia ver um cidadão com um instrumento nas costas que a paixão a arrebatava. Não tinha critérios quanto a personalidade, beleza ou estilo musical... bastava ser músico e pra ela era o suficiente para tornar o cidadão irresistivelmente encantador. Ia a todos os shows e se prostrava na primeira fila. Assistia a todos os vídeos no youtube pra decorar as músicas, que cantava como uma crente fervorosa. Compartilhava esses mesmo vídeos com todos os amigos do Facebook, mesmo diante dos protestos dos que não se identificavam com o estilo musical do seu objeto de paixão. Os amigos eram os que mais sofriam com os amores de Dra. Vani. Ela não poupava ninguém... Mas isso é um capítulo à parte.

Falando em capítulo à parte lembrei de outra informação importante: ela cultuava uma galinha. A escultura de plástico tinha altar e tudo na sua casa. Ela acendia vela pra "santa" e até criou uma oração com a ajuda de um dos seus pacientes que tinha o dom pra "escrevinhar", como dizia. Estou certa que não lembrarei de tudo agora, mas prometo que os deixarei a par das idiossincrasias da nossa protagonista. Ela dá o que falar.

Bem... depois desta breve introdução, só posso convidá-l@s a acompanhar aqui as aventuras desta nobre cientista e seus dois pacientes. Revolucionários, subversivos, paladinos, kamikazes, quixotescos... eles irão provar que Freud estava errado, que Jung não sabia de nada, que Nietzsche chegou perto... mas Tom Zé quando disse, "Eu tô te explicando pra te confundir, eu tô te confundindo pra te esclarecer", mostrou que ele é que é o cara!

P.S.: É importante esclarecer que esta é uma produção ficcional e que qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência.

domingo, 28 de novembro de 2010

Estranho rapaz

Composição: Roberto Mendes e Capinan




Quando ele chegou, o estranho rapaz
seu olhar estrangeiro olhou para mim
Eu nunca tinha ouvido a fala do amor, o frio o calor
logo entendi,
quando o rapaz,
seu olhar estrangeiro olhou para mim.
Seu olhar estrangeiro falava uma língua
que eu logo entendi
senti no meu corpo uma coisa tao louca,
que eu nunca senti
Ele olhava minha boca,
ele olhava meu corpo, ele olhava em meu seio,
olhava no meio, bem dentro de mim.
No princípio o perigo,
depois eu olhava, eu olhava,
não tinha receio.
Desejava, queria no precipício,
abrir minhas asas desvendar o segredo.
Seu olhar penetrante,
invadia ofegante no meio de mim
Rasgava o meu ventre, meu corpo inteiro,
me vendo por fora, me vendo por dentro,
do principio ao fim,
Depois me olhou, me olhou,
Me olhou de baixo para cima,
Em cima, embaixo, dentro de mim,
Me queimando, queimando,
O céu no inferno,
O paraíso é assim,
Onde passou tão pouco deixou,
Só um rastro de fogo queimando em silêncio,
O incêndio do amor.

Tatuagem

Para ler ouvindo Elis Regina cantando "Tatuagem" de Chico Buarque.



Partiu. Fez questão de nada esquecer, pra não lembrar. Não olhou para trás. Não sorriu. Crispou o cenho e andou a passos firmes. Fechou a porta, trancou por fora. Jogou a chave embaixo do tapete, para que "quem sabe um dia" alguém encontre. No caminho foi deletando da memória as lembranças amargas e as doces também. O doce e o amargo são feitos da mesma matéria, pensou. Não deixou bilhete, nem recado com batom no espelho grande do quarto. Deixou apenas duas mãos tatuadas com o suor e a lascívia do sexo intenso na cabeceira da cama. Ali proferiu sua sentença. Ele partiu e ela jamais o esqueceria em noites de calor ou frio. Ao chegar em casa ela nada encontrou, a não ser as mãos, ali... imóveis, tatuadas. Única lembrança de um tempo bem vivido, a seu modo. Não procurou nada além. Como um fugitivo, ele não deixaria rastros. Não queria ser encontrado. As mãos na parede era seu código de vida e luxúria. Não lamentou. Não chorou. Não, não, não. Lembrou que só de nãos vivera aquilo. Não querer. Não poder. Não sonhar. Não viver. Não. Esqueceu-se dos sins. Não, não os esqueceu. Apenas não conseguia dizê-los. O “sim, eu quero” ficou preso em algum lugar dentro de si. Pousou suas mãos sobre o desenho disforme na cabeceira da sua cama e sentiu pela última vez a vibração daquele ser que por algum tempo lhe emprestou asas. Sorriu de contentamento e seu corpo estremeceu como no compasso das asas de um beija-flor. Foi até a cozinha e se armou. Mas água e sabão não apagariam a lembrança daquelas mãos que manchavam a parede. Lembrou que água e sabão jamais limpariam teu corpo e tua alma das marcas que aquelas mãos haviam deixado. Como cicatrizes, elas ali permaneceriam... até que o tempo e as mudanças que ele traz, na casa ou no corpo, a encobrissem ou disfarçassem. Mas sabia que ainda assim elas estariam lá. Para lembrar a partida. Para lembrar os nãos. Para lembrar os sins, que disse sem dizer. Para lembrar as asas que um dia tivera. Para lembrar que a chave estava embaixo do tapete. Do lado de fora. Ela ali, do lado de dentro, apenas gritaria para quem batesse de novo à sua porta: - As chaves estão aí, pode entrar.

sábado, 27 de novembro de 2010

O Rato

Assim: do lado direito, um casal de velhos; do lado esquerdo, uma mulher com duas crianças atrás, dois rapazes de ar indefinido à frente, a toalha vermelha da mesa ampliando-se em perspectiva até a janela aberta para a noite. O ar ressecado estrangula os movimentos, depositado como poeira sobre as faces desfeitas de feições, expressões escorrendo em suor ao calor inesperado sobrevindo depois da chuva. Um rato caminha sobre uma das vigas de sustentação. Ele olha o rato, e o rato não o vê. Olha o rato, mas as outras pessoas não sabem que seu olhar olha o rato. Sozinho naquele bar, naquela rua, em todosos bares em todas as ruas do mundo, no mundo inteiro -sozinho: ele e o rato, natureza cinza equilibrada sobre quatro patas.
- Você prefere lasanha ou ravióli?
- O meu dia só existe porque você existe dentro dele.
- Garçom, por favor .
- Vou-me embora, não suporto mais este bar, este calor, esta mesa. Não suporto mais você.
- Eu quero batatinha frita.
- Hoje existir me dói feito uma bofetada.
- Sem cebola, por favor.
Quando partiu, levava as mãos no bolso, a cabeça erguida. Não olhava para trás, porque olhar para trás era uma maneira de ficar num pedaço qualquer para partir incompleto, ficado em meio para trás. Não olhava, pois, e, pois não ficava. Completo, partiu. Não vê, mas pode sentir o toque áspero da pele recoberta de pêlos em suas mãos que seguram o garfo e a faca, e o toque é quase uma carícia - uma nauseante carícia de bicho à procura de qualquer coisa. Mas o rato está em cima; ele estava em baixo, o sexo enrijecido, a mulher se movimentando sobre ele. Uma lassidão de coisa cujo destino é possuir, mas submetida à posse, quem sabe ampliada no escuro. Expandia-se dentro de si num movimento de revolta e nojo. Muito próximo do seu, o rosto da mulher aberto numa quase careta de gozo, os dentes manchados de cigarro espiando por entre os beiços cobertos de batom que as gotas de suor faziam escorrer. Apertou-a contra si, as mãos comprimidas na bunda áspera. O sexo explodiu numa chuva densa, enquanto olhava estupidamente para o fio de luz coado pela janela.
- Não posso comer massa, meu bem, engordo horrores.
- Porque se você não vem é como se o tempo fosse passado em branco, como se as coisas não chegassem a se cumprir porque você não soube delas.
- Infelizmente o camarão acabou.
- Estou completamente cheio.
- Bem molezinha, com bastante sal.
- Mas este prato está sujo, que absurdo!!!
- Tudo dói, e eu já nem sei mais para onde ir nem o que fazer, se ao menos – você me amasse um pouco, não estaria aqui e agora, neste bar, sozinho, longe de você e de mim.
O rato, agora, em passos hesitantes, a cauda enroscando-se em madeiras. Esfarela devagar um pedaço de pão, o miolo escorre por entre os dedos, feito água, feito vento, feitos todas as coisas que passam e não marcam em nada, em nenhum recanto do corpo físico além de memória. Aqui e agora, pedindo mais uma cerveja ao garçom vestido de branco, bigodes retorcidos para baixo. Cercou-o devagar: um cuidadoso exame de comprador investigando a mercadoria, a medir de cima abaixo, da cabeça aos pés, a largura do tórax, a grossura das coxas, as mãos de dedos grossos nas juntas, os olhos escondidos debaixo das sobrancelhas, a barba forte azulando o rosto -como se conseguisse ir além da calça azul e da camisa branca limitando a carne. O sexo: ponto de chama entre as pernas. Estende a mão, mas o rato foge num movimento brusco.
- Prefiro carne, ao menos não engorda tanto.
- E se você vem, fica tudo maior, mais amplo, sei lá mas é como se eu existisse dum jeito mais completo, compreende?
- Temos peixe. Filé de peixe, serve?
- De repente parece que todo mundo vai começar a morder a gente.
- Feijão não, eu odeio feijão.
- Uma merda, tudo. Uma grande merda.
Súbito escorrega para uma região desconhecida, onde tudo se dilui em sombra, em silêncio. Na sombra e no silêncio, o rato desliza manso, subindo a parede até alcançar novamente a viga que o sustenta. A mulher o encarou ofendida: se você gosta de homem, o problema é seu, meu filho, não tenho nada com isso. Insistiu. O guarda o soltou e ele saiu caminhando de cabeça baixa, depois de ter jogado o cartaz na sarjeta: "O povo passa fome". Jamais olhava para trás, jamais: o que estava feito, estava feito, estava consumado, estava para sempre imutável, inamoldável, fechado em si mesmo, estanque: o tempo. Ela sorriu de lado, a língua metida na falha entre os dois dentes. Concordou. Meteu a mão no bolso, procurando a carteira, e sentou o quase toque nos seus sapatos. Cerrou os dentes, o sexo latejava, estendeu a mão e tocou. Imóvel -o homem. O indecifrável dos olhos, do vinco marcando a boca, espreitando o, tenso. Eu pago,disse. Mas o rato voltou, sem que ninguém o veja.
- Tudo bem, um bife, mas bem pequenininho, bem passado e sem molho, hein?
- Ninguém toma de ninguém esse tipo de coisa, ninguém.
- Temos sopas, também. Madame é quem sabe.
- Me deixa ir embora. Eu não quero mais te ver. Nunca mais.
- Arroz? Mas eu só queria batatinha.
- E a faca? Será que é preciso comer com as mãos?
- Se ao menos dessa revolta, dessa angústia, saísse alguma coisa que prestasse.
Qualquer coisa: eu teria ao menos algo em que me segurar, qualquer coisa. O extremo da revolta seria a coisa feita, pronta para que segurassem nela. Eram vermelhos? Ou seriam azuis? Nunca vira os olhos de um rato bem de perto. Só a cauda, estendendo-se de elo em elo, até o final pontudo, como uma serpente. Não suportaria encarar um animal, qualquer que fosse. Aquela inconsciência de si mesmo, a ausência de indagações, de marcas - a isenção o deixava paralisado, como uma ferocidade inesperada: um animal, o homem nu, estendido sobre a cama. Tocava o sexo, e o sexo vibrava. A cama vibrava. A noite vibrava. O mundo vibrava. Alinhou um a um os farelos na esquina, formando um nome com o líquido da urina. A mão machucada de sustentar o grito do cartaz, os pés sob a revolta, os ombros doídos embaixo da contestação. Foi de repente que começou acorrer para longe daquilo, esmagado pela exigência, pelo espanto de estar pedindo alguma coisa que nem para si era. Pedir exigia uma participação íntima que ele não tinha, e seus gritos ressoariam falsos por todas as esquinas, seus ombros curvariam ao peso acumulado, a cabeça baixa, rabo entre as pernas. O susto do rato com a bolinha de pão jogada sobre a cabeça.
- Imagine, ele falou que tinha achado o chapéu detestável.
- Só eu sei que cheguei à humildade máxima que um ser humano pode atingir: confessar a outro ser humano que precisa dele para existir.
- Quem sabe uma feijoada?
- Daqui a pouco vai começar a chover de novo.
- Tá bem, mas só se vier um sorvete depois.
- Quer fazer o favor de me alcançar o copo?
- Mas não sai nada. Nada. Nem uma lágrima.
Aproxima-se. Os olhos agrandaram na procura consumada em encontro, as patas avançaram para o objeto - o cinzento arrastando-se sobre o amarelo dos tapetes.
- Inveja, pura inveja, conheço demais essa gente.
- E no momento em que se confessa a precisão, perde-se tudo, eu sei.
- Não? Quem sabe então um... um... um...
- Não adianta insistir. Agora eu vou.
- De creme, não. Quero de morango.
- E essa coca-cola que não vem?
- Sei lá, vou dormir que é melhor.
Agrandava-se. Senhora dona Cândida, coberta de ouro e prata, descubra o seu rosto, quero ver a sua graça. Descobria-se. Afastava o ouro, a prata, as mãos que escondiam o rosto e dentro -o que havia? Contém-se e começa a contar-se baixinho: Era uma vez: assim: do lado direito, um casal de velhos; do lado esquerdo, uma mulher com duas crianças; atrás, dois rapazes de ar indefinido; à frente, a toalha vermelha da mesa ampliando-se em perspectiva até a janela aberta para a noite". E o rato. Quis gritar, mas era tão tarde, era muito tarde, era sempre tarde. Viu o garçom arrumando os pratos sobre a mesa, a fumaça elevando-se da comida quente. Mas a vidraça ainda não refletia a cor exata dos olhos. Baixou a cabeça para o prato, apoiado nas quatro patas cinzentas, o focinho fino, as pessoas esfarelando pães e jogando-lhe pedaços, espantou-se da delicadeza de sua próprias garras, da leveza de seu próprio corpo, agora apertam sua cauda entre os pés, e ele foge, tenta fugir, mas alguém sopra em seus ouvidos algo parecido com uma canção de ninar. Ou uma canção de guerra, de ódio, de nojo, de sangue, uma cantiga de roda, ou simplesmente um grito estridente, agudo, trêmulo, incompreensível. Um grito humano.

Caio F.

In: O Inventário do Ir-remediável.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Aos que já caíram...

INVENTÁRIO DO IR-REMEDIÁVEL

"Não queria, desde o começo eu não quis. Desde que senti que ia cair e me quebrar inteiro na queda para depois restar incompleto, destruído talvez, as mãos desertas, o corpo lasso. Fugi. Eu não buscaria porque conhecia a queda, porque já caíra muitas vezes, e em cada vez restara mais morto, mais indefinido - e seria preciso reestruturar verdades, seria preciso ir construindo tudo aos poucos, eu temia que meus instrumentos se revelassem precários, e que nada eu pudesse fazer além de ceder. Mas no meio da fuga, você aconteceu. Foi você, não eu, quem buscou. Mas o dilaceramento foi só meu, como só meu foi o desespero. Que espécie de coisa o cigarro queimou, além dos cabelos? Sei que foi mais fundo, mais dentro, que nessa ignorada dimensão rompeu alguma coisa que estava em marcha. Eu quis tanto ser a tua paz, quis tanto que você fosse o meu encontro. Quis tanto dar, tanto receber. Quis precisar, sem exigências. E sem solicitações, aceitar o que me era dado. Sem ir além, compreende? Não queria pedir mais do que você tinha, assim como eu não daria mais do que dispunha, por limitação humana. Mas o que tinha, era seu. A noite ultrapassou a si mesma, encontrou a madrugada, se desfez em manhã, em dia claro, em tarde verde, em anoitecer e em noite outra vez. Fiquei. Você sabe que eu fiquei. E que ficaria até o fim, até o fundo. Que aceitei a queda, que aceitei a morte. Que nessa aceitação, caí. Que nessa queda, morri. Tenho me carregado tão perdido e pesado pelos dias afora. E ninguém vê que estou morto."

Trecho do conto que dá título ao livro.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Inventário do (Ir)remediável - Caio F.

TRIÂNGULO AMOROSO: VARIAÇÃO SOBRE O TEMA

Para Maria da Graça Magliani

Era uma menina. Embora não quisesse, quase desvairada na negação indireta, recusando atitudes e palavras que, justamente por afastadas, sublinhavam a sua condição. Aos olhos dos parentes, alheios a seu profundo - mais profundo ainda talvez porque inconsciente, resultante quem sabe de alguma remota frustração, como ia dizendo, seu profundo ressentimento tomava forma como em todas as meninas: algo meio vago, quase informe, acentuado vezenquando por lacinhos e babadinhos, como se as frescuras no vestir pudessem compensar o que lhe faltava: a forma. Ah como recusavam a sua densidade, como supunham ultrapassá-la quando, na verdade, sequer chegavam à sua periferia. Principalmente: como erravam ao tentar acertar, suas;atitudes de curva até o centrozinho dela (que eles ignoravam todo áspero e espinhento) fazendo-se queda lenta, desequilibrada, mesmo grotesca -irremediável queda. Ela era, pois, o ser mais só daquela casa. Isso equivale a dizer que era também o mais só do mundo, já que seu ambiente limitava-se àqueles dois pais e àqueles quatro irmãos equilibrados precários em pares de longuíssimas pernas, que serviam para lançar no rosto da menina a sua pequenez. Ah como eles eram herméticos. Mesmo amigos com quem trocasse desditas, amigos miúdo-gigantescos como ela, não os tinha. Vivia num apartamento desses enganchados em edifícios cinzentos, tão vazio de cores quanto de crianças. Além disso, ainda não havia apreendido o grande desencontro das palavras -portanto não poderia comunicar-se de maneira adulta, posto que a maneira-adulta-de-comunicar-se trata-se de um constante dizer o que não se quer, pedir o que se tem e dar o que não se possui. Também nos gestos, ela ainda não conseguira precisar-se, adquirindo aquela dureza que não assusta aos outros. Toda inexperiente de membros, ela enrolava-se em braços e pernas, enredada em movimentos que absolutamente descontrolava. Subjetiva e objetivamente, a menina era tremendamente solitária.

Foi quando apareceu o gato. A natureza dos gatos é parecida com a das meninas: também eles possuem aquela ferocidade mansa, toda contida e dissimulada ao pedir leite roçando as costas contra as pernas das pessoas. A menina só era amorosa quando faminta, fazendo-se lânguida, quase erótica. Saciada, tanto se lhe dava estar com aquela família alta e magra ou outra, baixa e gorda. Como ponto de contato, havia ainda aquela lucidez desesperada, portal de loucura, nas noites de lua cheia. Ela chorava, ele miava. Incompreensão da própria angústia, uniam-se no ultrapassar de seus limites, iam além, muito além, completamente sós dentro do apartamento - quem sabe do universo -, ela gritava, luzes acendiam, gestos precisos acariciavam lugares imprecisos; ele miava carente de carícias, de tentativas de compreensão, incompreendido, incompreensível. O berro uníssono fazia as paredes incharem, prenhes.

Os olhos castanhos dela encontraram os olhos verdes dele numa manhã de chuva. Todo sujo de lama, ele fora encolher-se exatamente em frente à porta onde havia uma espera em branco. Comunicaram-se. Ela não tinha palavras. Ele tinha unhas afiadas. Ela tinha dentes nascendo, sua arma em gestação contra o mundo. Ah como se amaram violentos e ternos em unhadas de paixão, dentadas de lascívia, mão sobre o pêlo amarelo, cabeças unidas - ele estacionado em evolução no ponto onde ela estava, mas ultrapassaria. Desde o início, ela fora em potencial maior do que ele. Tinha perspectivas, ao passo que ele estava para sempre confinado às quatro patas, ao rabo, às duas orelhas, aos seis ou oito fios de bigode.

Mas inconscientes desse desencontro, doavam-se inteiros, ignorados, ignorantes - brutais e absolutos em sua posse calada.

Até que chegou a gata. Os pais tiveram o raciocínio lógico de que um gato, mais que qualquer coisa no mundo, precisa de uma gata. E a trouxeram. Ela insinuou-se fêmea, gata de loja de animais, guizos, laçarotes, miando esquiva roçava o corpo contra as paredes, delicadíssima no arquear do dorso, formando uma curva tão sutilmente prometedora que a menina se espantava toda de tanto cinismo caramelado. E começou a disputa. Desde o início, a menina estava derrotada - ah como os parentes não a compreendiam. Ela -indefinida, meio tosca -insabia que para conquistar era necessário ser dissimulada como a gata. Ela era completamente objetiva nos seus desejos: se queria agarrar o gato, não se perdia em tramas e atitudes –ia lá e agarrava a meta. Que se esquivava, agora, mais propenso às ternuras menos ostensivas da gata.

Findo o período de namoro, o cio chegou e a gata e o gato possuíam-se despudorados pelos cantos, a menina incompreendendo que ela mesma não era uma gata, e que só poderia, assim mesmo futuramente, e talvez, possuir naturezas como a sua. O problema é que ela nunca tinha visto um menino. Sua única oportunidade de amar fora o gato. Que se tornara absoluto como jamais pirulito ou boneca haviam sido.

Mais só ainda - ela chegou então à atitude extrema. Talvez por influência da gata, aprendeu a dissimular, e aproximou-se toda meiga do gato que tomava leite. Foi tudo premeditado, ou tão espontâneo que a preparação estava implícita. E apertou. De uma só vez. Mais com a força que teria, propriamente, do que com a que dispunha no momento. Ele não miou nem estrebuchou.

Apenas morreu. Sem adjetivos.

Ela ficou olhando o corpo mole, desafiando-se com a gata que farejava o companheiro. Havia uma réstia de sol sobre o tapete. A menina encaminhou-se para lá e começou a brincar com uns cubos coloridos. Não descobriram o autor do crime. Ela não chorou. No mesmo dia, disse a primeira palavra: ato. Depois começou a crescer crescer crescer. Até que casou, teve três filhos, comprou um automóvel, um apartamento de cobertura no Guarujá e uma casa em Poços de Caldas.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

O homem que sabia Djavanês

Li este texto em 2003 no blog "Puragoiaba". Eu adorava os escritos da criatura que assinava com a singela alcunha de Ruy Goiaba. Hoje, voltando o trabalho, escutei Djavan entoar seus versos no rádio. Ri, lembrei... escarafunchei e aqui está a pérola! Eu rio sempre que leio!

Eu tinha chegado fazia pouco ao Rio de Janeiro e estava literalmente na miséria. Vivia fugindo de casa de pensão em casa de pensão, sem saber onde e como ganhar dinheiro. Até que um dia, lendo "O Globo", deparei com este anúncio: "Precisa-se de um professor de djavanês".

A audição das músicas de DJ Avan sempre provocou em mim puro mal-estar físico. Mas, enfim, precisava de grana e decidi fazer o possível para vencê-lo. Naquela semana, fui a todos os barezinhos com música ao vivo da cidade. Perdi a conta de quantas vezes escutei "e o meu jardim da vida ressecou, morreu" ou "amar é um deserto e seus temores". Foram sete dias de tortura; contudo, saí deles com o djavanês na ponta da língua. Em vez de mandar meu currículo, achei que conviria visitar o endereço indicado no anúncio.

Era um tríplex de cobertura, decorado com muito dinheiro e mau gosto ainda maior, num dos bairros mais caros do Rio. Apresentei-me como professor de djavanês e, após ser submetido a inquérito pelos empregados, fui levado à presença do patrão, o doutor Albernaz. Ele me recebeu com um sorriso visivelmente irônico. "Então o senhor é professor de djavanês, hein?" "Sim, sou. Formado em djavanês e com mestrado em beregüê. Tive dez com louvor na minha tese sobre a influência de Carlinhos Brown na obra de James Joyce." A tese, obviamente, não existia, mas o doutor Albernaz pareceu acreditar na conversa. "Então, só o senhor pode me ajudar. Ouça isto, por favor" - e pôs nas minhas mãos uma coletânea do DJ Avan em CD. Ao notar minha cara de ponto de interrogação, ele contou sua história. "Pouco antes de morrer, meu pai me entregou esse CD e disse: 'Filho, tenho certeza de que DJ Avan canta coisas muito profundas, mas ouvi suas músicas durante anos e nunca consegui entender porra nenhuma. Só podem ser segredos iniciáticos transmitidos da maneira mais hermética possível. Descubra o significado e você obterá a chave da felicidade'."

O doutor Albernaz abriu o encarte do CD e me mostrou uma das letras: "'Obi, obi, obá. Que nem zen, czar. Shalom Jerusalém, z'oiseau'. O que é isso?". Eu estava tenso com a pergunta do doutor Albernaz. Tantas músicas do DJ Avan e o velho tinha de querer saber o que significava a letra de "Obi"? Desgraçado. Se ainda fosse aquela do "o amor que é azulzinho", mas era tarde. Ele tinha os olhos fixos em mim: queria respostas. Todo o sucesso da minha empreitada dependia de uma explicação convincente e imediata.

De repente, uma idéia. Começo: "Veja bem. 'Obi' é certamente uma referência a Obi-Wan Kenobi, o sábio de 'Guerra nas Estrelas' interpretado por sir Alec Guinness. 'Obá', por sua vez, remete a 'Djobi Djobá', sucesso dos Gipsy Kings. DJ Avan buscou contrastar o lado luminoso e britânico da força com os mistérios nômades da alma cigana. A mesma tensão dialética pode ser verificada no verso subseqüente, 'que nem zen, czar': a contemplação espiritual dos monges budistas e o poder absoluto dos czares. Perceba como tese e antítese se resolvem lindamente na síntese do verso seguinte: 'shalom Jerusalém' é a paz do espírito na divina cidade. É ela que faz a alma se elevar aos céus, como um pássaro ('z'oiseau')".

Os olhos do doutor Albernaz se arregalaram enquanto eu falava. Dois segundos depois de eu terminar, ele gritou: "Que maravilha! Sabia que havia algo de muito profundo nessa letra! O senhor é um gênio da hermenêutica, um mestre do djavanês!".

Passei a tarde inventando explicações para todas as outras letras do CD - Açaí guardiã..., Kremlin-Berlim-pra-não-dizer-Tel-Aviv..., índio cara-pálida cara de índio... Citei Joyce, Pound, Oswald, Glauber, Zé Celso, Hélio Oiticica e Odair Cabeça de Poeta: name-dropping é comigo mesmo.

Daí por diante, minha ascensão social estava garantida. Eu era o único intelectual do país capaz de traduzir a transcendência da inguagem de DJ Avan. Tinha prestígio acadêmico e subsídio do Ministério da Cultura; gostosíssimas estudantes de lingüística rasgavam as roupas e se atiravam aos meus pés. Mas troquei tudo por um violão, sandálias de couro cru e um penteado novo. Mudei até meu nome graças ao djavanês. Hoje me chamo Jorge Vercilo e sei que "nada vai me fazer desistir do amor"...

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Vai passar

Essa música me lembra um amigo querido cariocadomundointeiro. Intenso... quase profano.

Toda que vez que vou à sua casa, Marina Lima é trilha sonora certa. Quando esta música toca... abrimos um sorriso, nos abraçamos e cantarolamos com os olhos fechados lembrando de atos e fatos. Cumplicidade de quem aprendeu com a vida que tudo passa: menos as coisas e pessoas que... Mas mais que isso, essa música, concluímos num papo super-cabeça, fala dos encontros em momentos distintos da vida de cada uma das partes. O encontro acontece, é intenso, é real... mas eles estão "em pistas opostas". Pra um, fica o vazio... pro outro, fica a alegria do encontro breve. Quem pode julgar? "A engrenagem do amor pode ser traiçoeira..."

domingo, 21 de novembro de 2010

Vírgulas & Lacunas


Podia ser só amizade, paixão, carinho, admiração, respeito, ternura, tesão. Com tantos sentimentos arrumados cuidadosamente na prateleira de cima, tinha de ser justo amor, meudeus?

Porque quando fecho os olhos, é você quem vejo; aos lados, em cima, embaixo, por fora e por dentro de mim. Dilacerando felicidades de mentira, desconstruindo o que era em parte, abrindo todas as janelas para um mundo deserto de nós dois. É você quem sorri, morde o lábio, fala grosso, abre potes, inventa histórias, me tira do sério, faz ares de palhaço, pinta segredos, ilumina o corredor onde todos os túneis são começos de qualquer coisa de feliz, de leve, de azul, de puro e de meu.

Não, não me fale em medo, paciência, tempo que vai chegar. Não volte dois espaços, não negue, apareça. Sou vírgulas, você é lacunas. “Claro, o dia de amanhã cuidará do dia de amanhã e tudo chegará no tempo exato. Mas e o dia de hoje?” É agora que quero dividir maçãs, achar o fim do arco-íris, pisar sobre estrelas e acordar serena. É para já que preciso contar as descobertas, alisar seu peito, preparar uma massa e cantar as velhas canções. Não posso esperar. Tenho a mesa posta, toalhas brancas, ombros moles e uma alma que só saber viver presentes. Sem esperas, sem amarras, sem receios, sem cobertas, sem idéias, sem voz, sem sentido. Com uma única certeza.

É preciso que você venha. É preciso que você venha nesse exato instante. Agora que não há conceitos e os nomes ainda são desprezíveis. Venha e escreva uma longa e cafona novela mexicana, com laquê nas expressões. Rime prazer com agonia, grafite paredes com os clichês dos amantes, acorde dentro de mim, lamba pernas com os seus cabelos lisos e reais. É tudo um vazio cheio de portas, com caminhos confusos e simples que levam ao único lugar possível a quem ousa chamar de amor o que não deveria ter nome: o desconhecido. Seja forte. Porque é preciso coragem para se arriscar num futuro incerto, cuja estrada embriaga até mesmo quem tem passos firmes e saber fazer o quatro. Esqueça os on-the-rocks. Seja cowboy, macho, gente, animal, mistério, doçura, pegação. Abandone os antes. Meu nome é já e nossos pés paralelos se tocam no finito. Chame do que quiser. Mas venha.

Preciso dizer-lhe o que você talvez ainda não saiba: existem lobisomens que comem flores. Você sabia que existem lobisomens que comem flores? Você sabia disso, meubem? Daqui quase posso vê-lo, no meio de um grande corredor colorido. Buganvílias, rosas, cravos, azaléias, orquídeas, gérberas, gerânios. Não sei suas preferidas, mas percebo uma sutileza no ar. Médico e monstro, dor e riso, o impossível e o real. Opostos quase palpáveis, fechando metades, descobrindo o mundo, abrindo clareiras no matagal das emoções. Você sabia que o impossível mora no nosso quintal? Você sabia que os galos cantam, todos os dias, para que a coragem desperte e Deus renove sua misericórida sobre todos os que pecam. Qual é seu maior pecado, meubem?

Hoje sou luxúria. Espero mãos pesadas, ópio na veia, sol de giz riscado no chão. Quero dividir meus erros, arranhar minha loucura, arrastar cabelos aos seus pés. Não cale. Entregue, apele. Posso descobrir mazelas escondidas e transformar seu corpo em juízo final. Marque o x e verá uma fila inesgotável de possibilidades adormecidas estendidas no seu varal. Seja. Porque estamos tão perto e tão longe e claros e cheios e inertes e ofegantes. Sou o chá, o veneno, a cura, a espera, a certeza, o presente, a solução. Reconheço enganos. E o meu medo é do seu medo de ter medo. Porque não quero amizade, paixão, carinho, admiração, respeito, ternura, tesão. Quero o que é e não tem muro. Escolhi o amor da prateleira e aprendi a só entender o sim. Se o seu modo é não, vá embora. Não olhe para trás. Renego estátuas de sal e abomino divisões. Se é para pular, que seja já. Porque hoje é hoje; e amanhã, amanhã ninguém sabe.


*Texto de Nathalia Duprat. Diz muito do que eu queria dizer nestemomentoexatoagorajá!

Pitadas de Caio F. - Parte I

Sobre saudade e amor...


"E essa falta cresce à cada dia, de forma avassaladora, quando enfim penso que estou me acostumando, que estou te esquecendo, você ressurge de forma inesperada ocupando todos os espaços, transbordando de dentro de mim... e é nessa inconstante loucura que vivo sem te ter."

"Quando você sente saudade demais de uma pessoa, então começa a vê-la nas outras, em todos os lugares, de costas, por um jeito de andar, de sorrir ou virar a cabeça de lado."

"Tenho trabalhado tanto, mas penso sempre em você (...). Se não dormisse cedo nem estivesse quase sempre cansado, acho que esses pensamentos quase doeriam e fariam clack! de madrugada e eu me veria catando cacos de vidro entre os lençóis."

"A gente sempre acha que é especial na vida de alguém, mas o que te garante que você não está somente servindo pra tapar buracos?"

"Ai. Saudade é uma coisa azul e amarga com carne por fora e espinho por dentro."

"Seria tão bom se pudéssemos nos relacionar sem que nenhum dos dois esperasse absolutamente nada, mas infelizmente nós, a gente, as pessoas, têm, temos - emoções."

"Na minha memória - tão congestionada - e no meu coração - tão cheio de marcas e poços - você ocupa um dos lugares mais bonito."

"Cuidado com as ilusões mocinha, profundas e enganosas feito o mar."

"Vem para que eu possa recuperar sorrisos, pintar teu olho escuro com kol, salpicar tua cara com purpurina dourada, rezar, gritar, cantar, fazer qualquer coisa, desde que você venha, para que meu coração não permaneça esse poço frio sem lua refletida."

"Como pode? Duas pessoas tão diferentes se amarem a ponto de não conseguirem desviar os pensamentos um do outro? Certo dia me perguntaram: Porque você se apaixonou? Eu respondi: Não sei. E talvez continue não sabendo. Eu simplesmente amo, acordo e vou dormir com ele nos meus pensamentos."

"Quando se deseja realmente dizer alguma coisa, as palavras são inúteis. Remexo o cérebro e elas vêm, não raras, mas toneladas. Deixam sempre um gosto de poeira na boca - a poeira do que se tentava expressar, e elas dissolveram."

"Que te dizer? Que te amo, que te esperarei um dia numa rodoviária, num aeroporto, que te acredito, que consegues mexer dentro-dentro de mim? É tão pouco. Não te preocupa. O que acontece é sempre natural - se a gente tiver que se encontrar, aqui ou na China, a gente se encontra."

"Se tiver aprendido lições (amor é pedagógico?), até aproveito e não faço tanta besteira. Mas acho que amor não é cursinho pré-vestibular. Ninguém encontra seu nome no listão dos aprovados. A gente só fica assim. Parado olhando a medida do Bonfim no pulso esquerdo, lado do coração e pensando, pois é."

"Amanhã, depois, acontece de novo, não fecho nada, não fechamos nada, continuamos vivos e atrás da felicidade, a próxima vez vai ser ainda quem sabe mais celestial que desta, mais infernal também, pode ser, deixa pintar."

"Seria isso, então? Você só consegue dar quando não é solicitado, e quando pedem algo você foge em desespero. Como se tivesse medo de ficar mais pobre, medo de que se alcance seu centro e nesse centro exista alguma coisa que você não quer mostrar nem dar ou dividir."

"Que coisas são essas que me dizes sem dizer, escondidas atrás do que realmente quer dizer? Tenho me confundido na tentativa de te decifrar, todos os dias. Mas confuso, perdido, sozinho, minha única certeza é que de cada vez aumenta ainda mais minha necessidade de ti. Torna-se desesperada, urgente."

"Não me venhas com Densas Complexidades Psicológicas. Artimanhas, embustezinhos corriqueiros. Portas falsas, coração. Tudo isso me nauseia como a décima dose de um licor de anis."

"Já li tudo, cara, já tentei macrobiótica psicanálise drogas acupuntura suicídio ioga dança natação Cooper astrologia patins marxismo candomblé boate gay ecologia, sobrou só esse nó no peito, agora o que faço?"

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Assalto?

Ouvia aquela canção que dizia: "eu só sei amar direito, nasci com esse defeito no coração". Ela não sabia amar direito. Ela amava torto.

Amar torto não significava, na sua cabeça também torta, que aquele amor não fosse também bonito. Era apenas a sua maneira de amar, que, assim como ela, era pouco convencional. Difícil de entender. Mais ainda de explicar. Tentou traduzir:

É intenso. Se expressa em pequenos gestos. Quase nunca em palavras. Ele é péssimo com as palavras. Aliás, não é. Ele é bom com as palavras, desde que elas não saiam da sua cabeça. Na sua cabeça ele é delicadamente decifrado em vocábulos doces, sutis, delicados e intensos. Mas só são assim lá. Fora dela quase sempre são uma verdadeira catástrofe.

Não se exprime através de gestos grandiloquentes. É sutil... quase imperceptível para olhos desatentos. É cheio de estratagemas e tem medo de terrenos lamaçentos: nunca se sabe o que tem por baixo daquela calmaria aparente. Procura se orientar pela racionalidade e aí expressa sua maior contradição. É volátil... facilmente se dilata ou comprime ao sabor das circunstâncias.

Mas ele também sabe ser bonito. Daquela "boniteza" das coisas pequeninas e singelas como sorriso de criança. Como a primeira palavra dita, que quase nunca é a esperada. Como olhar pela janela e ver o céu alaranjado. Como tomar chuva na primavera voltando pra casa, que primeiro aborrece... mas quando você se entrega, é como se o peso das coisas se esvaisse com a água impura e a gente voltasse a ser aquela criança desprovida de angústias. Como tomar sorvete de tapioca olhando o mar sujo da Ribeira. Como molhar os pés na água fria do mar, que primeiro assusta, congela... mas depois lhe refresca a alma.

É como ser assaltado. É como ser assaltado. Repetia involuntariamente. Depois de ter passado horas tentando traduzir sua forma de amar, ela finalmente conseguiu traduzí-la em poucas palavras. É como ser assaltado. Em sua lógica, também torta, teorizou: primeiro o susto, depois o medo, a tentativa de reagir, em seguida a entrega de tudo que tens de mais precioso, o êxtase por sair ileso quando o outro tem compaixão ( e não é sempre), e por fim... a sensação de que está faltando alguma coisa. Concluída sua teoria, se perguntou: quem em sã consciência iria andar pela vida querendo ser assaltado? Não ousou responder. Apenas sorriu.

Sentimentos vão(s)

Olhava para tela fixamente e não sabia o que escrever. Queria ali, naquele espaço luminoso, pintar as cores que revestiam sua alma no momento. Tons pastel. Mas ela não sabia como escrever, pintar... ela só sabia sentir. Sentir era tua maldição. Por ser contraditória e intensa, fazia com que os sentimentos lhe escapassem pela boca. Só ela ouvia. Então fumava desesperadamente enquanto falava consigo mesma, afinal, só ela era capaz de compreender a vastidão das coisas que lhe tomavam o coração. Aquilo que lhe tomava o coração e só ela sabia sentir, jamais poderia ser compartilhado... mas precisava sair de dentro. Precisava tomar cor e forma numa existência externa. Não sabia como. Lembrou de uma conversa que tivera no dia anterior sobre como os bebês se experessam e... chorou. Cada lágrima que vertia trazia em si o peso dos sentimentos sem palavras. Assim, escreveu seu poema em matéria liquefeita, temperada a sal.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Para uma avenca partindo - Caio F.

Olha, antes do ônibus partir eu tenho uma porção de coisas pra te dizer, dessas coisas assim que não se dizem costumeiramente, sabe, dessas coisas tão difíceis de serem ditas que geralmente ficam caladas, porque nunca se sabe nem como serão ditas nem como serão ouvidas, compreende? Olha, falta muito pouco tempo, e se eu não te disser agora talvez não diga nunca mais, porque tanto eu como você sentiremos uma falta enorme dessas coisas, e se elas não chegarem a ser ditas nem eu nem você nos sentiremos satisfeitos com tudo que existimos, porque elas não foram existidas completamente, entende, porque as vivemos apenas naquela dimensão em que é permitido viver, não, não é isso que eu quero dizer, não existe uma dimensão permitida e uma outra proibida, indevassável, não me entenda mal, mas é que a gente tem tanto medo de penetrar naquilo que não sabe se terá coragem de viver, no mais fundo, eu quero dizer, é isso mesmo, você está acompanhando meu raciocínio? Falava do mais fundo, desse que existe em você, em mim, em todos esses outros com suas malas, suas bolsas, suas maçãs, não, não sei porque todo mundo compra maçãs antes de viajar, nunca tinha pensado nisso, por favor, não me interrompa, realmente não sei, existem coisas que a gente ainda não pensou, que a gente talvez nunca pense, eu, por exemplo, nunca pensei que houvesse alguma coisa a dizer além de tudo o que já foi dito, ou melhor pensei sim, não, pensar propriamente dito não, mas eu sabia, é verdade que eu sabia, que havia uma outra coisa atrás e além das nossas mãos dadas, dos nossos corpos nus, eu dentro de você, e mesmo atrás dos silêncios, aqueles silêncios saciados, quando a gente descobria alguma coisa pequena para observar, um fio de luz coado pela janela, um latido de cão no meio da noite, você sabe que eu não falaria dessas coisas se não tivesse a certeza de que você sentia o mesmo que eu a respeito dos fios de luz, dos latidos de cães, é, eu não falaria, uma vez eu disse que a nossa diferença fundamental é que você era capaz apenas de viveras superfícies, enquanto eu era capaz de ir ao mais fundo, você riu porque eu dizia que não era cantando desvairadamente até ficar rouca que você ia conseguir saber alguma coisa a respeito de si própria, mas sabe, você tinha razão em rir daquele jeito porque eu também não tinha me dado conta de que enquanto ia dizendo aquelas coisas eu também cantava desvairadamente até ficar rouco, o que eu quero dizer é que nós dois cantamos desvairadamente até agora sem nos darmos contas, é por isso que estou tão rouco assim, não, não é dessa coisa de garganta que falo, é de uma outra de dentro, entende? Por favor, não ria dessa maneira nem fique consultando o relógio o tempo todo, não é preciso, deixa eu te dizer antes que o ônibus parta que você cresceu em mim de um jeito completamente insuspeitado, assim como se você fosse apenas uma semente e eu plantasse você esperando ver uma plantinha qualquer, pequena, rala, uma avenca, talvez samambaia, no máximo uma roseira, é, não estou sendo agressivo não, esperava de você apenas coisas assim, avenca, samambaia, roseira, mas nunca, em nenhum momento essa coisa enorme que me obrigou a abrir todas as janelas, e depois as portas, e pouco a pouco derrubar todas as paredes e arrancar o telhado para que você crescesse livremente, você não cresceria se eu a mantivesse presa num pequeno vaso, eu compreendi a tempo que você precisava de muito espaço, claro, claro que eu compro uma revista pra você, eu sei, é bom ler durante a viagem, embora eu prefira ficar olhando pela janela e pensando coisas, estas mesmas coisas que estou tentando dizer a você sem conseguir, por favor, me ajuda, senão vai ser muito tarde, daqui a pouco não vai mais ser possível, e se eu não disser tudo não poderei nem dizer e nem fazer mais nada, é preciso que a gente tente de todas as maneiras, é o que estou fazendo, sim, esta é minha última tentativa, olha, é bom você pegar sua passagem, porque você sempre perde tudo nessa sua bolsa, não sei como é que você consegue, é bom você ficar com ela na mão para evitar qualqueratraso, sim, é bom evitar os atrasos, mas agora escuta: eu queria te dizer uma porção de coisas, de uma porção de noites, ou tardes, ou manhãs, não importa a cor, é, a cor, o tempo é só uma questão de cor não é? Por isso não importa, eu queria era te dizer dessas vezes em que eu te deixava e depois saía sozinho, pensando também nas coisas que eu não ia te dizer, porque existem coisas terríveis, eu me perguntava se você era capaz de ouvir, sim, era preciso estar disponível para ouvi-las, disponível em relação a quê? Não sei, não me interrompa agora que estou quase conseguindo, disponível só, não é uma palavra bonita? Sabe, eu me perguntava até que ponto você era aquilo que eu via em você ou apenas aquilo que eu queria ver em você, eu queria saber até que ponto você não era apenas uma projeção daquilo que eu sentia, e se era assim, até quando eu conseguiria ver em você todas essas coisas que me fascinavam e que no fundo, sempre no fundo, talvez nem fossem suas, mas minhas, e pensava que amar era só conseguir ver, e desamar era não mais conseguir ver, entende? Dolorido-colorido, estou repetindo devagar para que você possa compreender, melhor, claro que eu dou um cigarro pra você, não, ainda não, faltam uns cinco minutos, eu sei que não devia fumar tanto, é eu sei que os meus dentes estão ficando escuros, e essa tosse intolerável, você acha mesmo a minha tosse intolerável? Eu estava dizendo, o que é mesmo que eu estava dizendo? Ah: sabe, entre duas pessoas essas coisas sempre devem ser ditas, o fato de você achar minha tosse intolerável, por exemplo, eu poderia me aprofundar nisso e concluir que você não gosta de mim o suficiente, porque se você gostasse, gostaria também da minha tosse, dos meus dentes escuros, mas não aprofundando não concluo nada, fico só querendo te dizer de como eu te esperava quando a gente marcava qualquer coisa, de como eu olhava o relógio e andava de lá pra cá sem pensar definidamente e nada, mas não, não é isso, eu ainda queria chegar mais perto daquilo que está lá no centro e que um diadestes eu descobri existindo, porque eu nem supunha que existisse, acho que foi o fato de você partir que me fez descobrir tantas coisas, espera um pouco, eu vou te dizer de todas as coisas, é por isso que estou falando, fecha a revista, por favor, olha, se você não prestar muita atenção você não vai conseguir entender nada, sei, sei, eu também gosto muito do Peter Fonda, mas isso agora não tem nenhuma importância, é fundamental que você escute todas as palavras, todas, e não fique tentando descobrir sentidos ocultos por trás do que estou dizendo, sim, eu reconheço que muitas vezes falei por metáforas, e que é chatíssimo falar por metáforas, pelo menos para quem ouve, e depois, você sabe, eu sempre tive essa preocupação idiota de dizer apenas coisas que não ferissem, está bem, eu espero aqui do lado da janela, é melhor mesmo você subir, continuamos conversando enquanto o ônibus não sai, espera, as maçãs ficam comigo, é muito importante, vou dizer tudo numa só frase, você vai ......... ............ ............. ............ .......... ........... ............. ............ ............ ............ ......... ........... ............ ............ sim, eu sei, eu vou escrever, não eu não vou escrever, mas é bom você botar um casaco, está esfriando tanto, depois, na estrada, olha, antes do ônibus partir eu quero te dizer uma porção de coisas, será que vai dar tempo? Escuta, não fecha a janela, está tudo definido aqui dentro, é só uma coisa, espera um pouco mais, depois você arruma as malas e as botas, fica tranqüila, esse velho não vai incomodar você, olha, eu ainda não disse tudo, e a culpa é única e exclusivamente sua, por que você fica sempre me interrompendo e me fazendo suspeitar que você não passa mesmo duma simples avenca? Eu preciso de muito silêncio e de muita concentração para dizer todas as coisas que eu tinha pra te dizer, olha, antes de você ir embora eu quero te dizer quê.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Para quem é real e é de mim


Fazia tempo que eu não escrevia. Me dizia ocupada. Na verdade, eu acho que não escrevia porque andava muito feliz ultimamente... e felicidade não é lá muito inspiradora. Não falo da felicidade de amar, mas sim da felicidade de viver simples e moderadamente. Aquela felicidade que a gente encontra no cotidiano... a das "horinhas de descuido" do Guimarães Rosa. Enfim, eu estava feliz e não tinha vontade de escrever. É possível medir minha felicidade pela quantidade de posts que escrevi aqui: fui do inferno de vomitar palavras para aliviar o peso de mim... ao paraíso do não ter/querer nada a dizer. Acho que a escrita era terapia e eu me dei alta.

Não consigo entender por que este tipo de felicidade que eu vivo agora não me é inspiradora. Esse é um mistério que acho que jamais entenderemos... e ao pensar nisso ouço Bethânia cantarolar: "Pra fazer um samba com beleza é preciso um bocado de tristeza..." Diante disso não preciso dizer que estou aqui porque fui tocada por ela: a danada da tristeza.

A tristeza e o sofrimento que me inspiram neste momento não são extamente meus. Mas, ao mesmo tempo, são mais meus do que se tivessem nascido em mim. Contraditória verdade. Sofro a dor do outro, como fazemos nas artes. Só que o mocinho que chora e me comove não é personagem de nenhum dramaturgo. Ele é real e é de mim. Eu não vou ver as letrinhas passarem na minha frente quando o "filme" acabar. Não vai ter aplauso no final do "espetáculo". Eu não vou esquecer as lágrimas que o vi derramar e que também provocaram as minhas. Porque ele é real e é de mim.

Ao saber da dor do amigo automaticamente me lembrei de "Pálpebras de neblina" do Caio F. Sempre o Caio. Neste texto ele relata um dia ruim, em que pensava: "Ah! como eu precisava tanto de alguém que me salvasse do pecado de querer abrir o gás." No auge da sua dor ele testemunha a dor de uma desconhecida. No auge da sua dor do "não-ter" ele é requisitado por alguém que é dele: "Depois, um amigo me chamou para ajudá-lo a cuidar da dor dele. Guardei a minha no bolso. E fui. Não por nobreza: cuidar dele faria com que eu me esquecesse de mim. E fez. Quando gemeu "dói tanto", contei da moça vadia chorando, bebendo e fumando (como num bolero). E quando ele perguntou "porquê?", compreendi ainda mais. Falei: "Porque é daí que nascem as canções". E senti um amor imenso. Por tudo, sem pedir nada de volta. Não-ter pode ser bonito, descobri. Mas pergunto inseguro, assustado: a que será que se destina?"

Felizmente não era este o meu caso. Eu continuava na minha onda de "horinhas de descuido"... felicidade cotidiana. Enquanto o Caio colocou sua dor no bolso e foi ao encontro do amigo, eu enchi minha mala com o máximo de feliciade que podia carregar e parti. Um bocadinho longe, um bocadinho caro (rsrs), mas foi uma experiência impagável. Daquelas que merecem e precisam ser compartilhadas. Precisam ir além da memória de quem as vivenciou. Foram seis dias inesquecíveis.

Em resumo, o que eu posso dizer é que foi só AMOR. De todo jeito. De todo o lugar. Em suas várias faces e facetas. De onde eu já tinha certeza, veio. De onde eu não esperava, veio. De onde eu sequer imaginava que podia despontar, veio. Forte, intenso, embriagante, acolhedor. Maremoto. Vendaval. Entre risos e lágrimas fui feliz e o fiz feliz. Sei que a dor dele continua lá... porque ela ainda lateja em mim. Mas sei também que ela já não é a mesma: dor míngua, assim como o amor quando não é alimentado.

Hoje as palavras voltaram aos meus papéis em branco. A tristeza me tomou pela mão e fez como aquelas professoras de antigamente, que desenhavam as letras juntos com seus aprendizes. Hoje eu estou triste, mas como sempre, também estou feliz. Feliz pelo que tenho, aliás... pelos que tenho. É para eles que vivo. É por eles que sou.

Lembrei agora da capa do CD do Marcelo Camelo, que para olhos desatentos não tem significado algum. Um jogo em que a palavra sou, também pode ser lida nós. Depende de como você olha. Depois que descobri isso eu nunca mais consegui ler o sou. Essa será minha próxima tatuagem. Diz muito de mim. Diz muito dos meus.


terça-feira, 20 de julho de 2010

Depois de ter você...

Dispensa qualquer comentário. Estar com alguém que lhe faz perguntar "depois de ter você poetas para quê?" é lindo.
Sobre elas... o silêncio é a melhor reverência.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Dia dos EX


Hoje é dia dos ex-namorados. Nunca fui de ter muitos namorados, pois só assumia compromisso com alguém quando eu tinha certeza de que era isso que eu queria, de que tinha amor e admiração suficiente por aquela pessoa. Alguns eu quis e não me quiseram... enfim, a vida é assim.

Destes poucos que tive, lembro-me com perfeição. De tudo. Dos gostos, dos desgostos, dos gestos, dos sonhos. Não lembro datas, mas me apego às sensações e emoções. Sei exatamente o que cada um provocou em mim. Algumas sensações eu guardo com ternura, outras... gostaria de esquecer. Mas estas, são poucas... ainda bem! Reencontro, acompanho e ainda dou palpite na vida de alguns, que se tornaram amigos. Outros eu tenho notícias pelos amigos em comum. Raros são os que eu não tenho conhecimento de que fim levaram.

É engraçado como as pessoas entram e saem da nossa vida. Ou não saem. O ideal é que não saiam. Fiquem ali presentes de alguma maneira, marcados com alguma coisa bonita. Infelizmente nem sempre é assim. Infelizmente muitos têm experiências nefastas.

É engraçado como o prefixo ex tem um peso emocional enorme para algumas pessoas e provoca arrepios em outras. Não aquele arrepio bom de lembrança gostosa, mas sim aquele que te faz tremer e dizer: "pé-de-pato mangalô três vezes". Isso é tão ruim. É tão down pensar que alguém que você já amou algum dia possa te provocar tais reações...

Mas, hoje não é dia de remoer dores passadas, mas sim de celebrar amores passados. Celebremos então o amor que vem e vai, mas um dia chega pra ficar.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Eu escrevia cartas


Ganhei de presente de minha dinda Talitinha um livro da Clarice. São cartas escritas por ela para as irmãs Tânia e Elisa. Folheando o livro lembrei da minha adolescência... sempre as reminiscências, o passado me rondando.

Neste período eu adorava escrever cartas. Escrevia para meus amigos que moravam longe e para os que moravam perto também. O caso mais curioso era de uma amiga, Virgínia, que eu encontrava diariamente na escola, mas lhe escrevia cartas. Nestas cartas a gente falava dos sonhos, dos projetos, de como víamos as pessoas que nos cercavam e fazíamos juras de amizade eterna e muitos planos de fazermos coisas juntas. O tempo passou e nossas vidas seguiram rumos um pouco diferentes: ela mora na França e eu em são Paulo. Ela casou e eu continuo solteira. Ela está terminando o doutorado e eu com preguiça de tentar começar. A última vez que a vi foi pouco antes de sua viagem, quando me contou dos seus planos e do quanto estava feliz. Eu fiquei feliz também. Depois disso trocamos alguns e-mails e nunca mais nos falamos... a vida vai acontecendo e deixamos algumas coisas e pessoas guardadinhas em algum canto especial do nosso coração. De vez em quando a gente abre a gaveta, dá uma olhadinha, sorri e volta a fechá-la de novo. O afeto ainda está lá... o tempo não apaga, a distância não diminui.

Voltando às cartas, elas eram a melhor forma que eu encontrava para me comunicar com o mundo ao meu redor. Eu sentia uma enorme dificuldade em me expressar e a escrita era meu melhor canal. Não conseguia falar dos meus sentimentos e muitas vezes não conseguia lidar com eles, para resolver o problema eu escrevia. Compartilhava com aqueles que eu julgava merecedores e, de certa forma, capazes de compreender minhas angústias e dilemas adolescentes que fugiam um pouco do que viviam meus pares. Para elas, por exemplo, os papéis de carta eram meros objetos de coleção... para mim eram uma forma de colorir as palavras.

Eu adorava ir ao correio - que ficava na Rua do Amparo - selar e encaminhar minhas correspondências. Meu coração pulava toda vez que o carteiro deixava algo debaixo da minha porta. A sensação que eu tinha era de que, de alguma forma, o mundo lá fora sabia da minha existência e me dava resposta. Eu literalmente fazia terapia por correspondência.

O curioso é que eu guardava as cartas, mas depois esquecia delas. Não sei por onde andam, mas sei que ainda existem em algum lugar do meu passado. De vez em quando ao arrumar gavetas e armários alguma coisa reaparecia e minha mãe chegava pra mim dizendo: "Você se lembra dessa carta?", "Olha aquele cartão que "fulano de tal" te deu". Eu relia e revivia o momento. Depois colocava ela de volta no mesmo espaço e respondia: "Não sei como você ainda tem estas coisas". Não entendo o que se passa comigo... tão ligada ao passado, mas sem apego às suas lembranças materiais. Guardo tudo na memória... ela se encarrega de selecionar o que merece ser lembrado.

Mas o que eu queria dizer é que eu adoro escrever cartas. Sinto falta do papel, da caneta, do selo, do envelope e do ritual de ir até o correio e eperar dias até ter uma resposta. Escrever com cuidado para não errar, bordar a letra, escrever corretamente. Isso é tão "demodê", mas ao mesmo tempo tão instigante.

Acho que vou voltar a escrever cartas. Preciso voltar ao mundo real em que as pessoas não escrevem apressadamente e se esmeram em bordar o papel com letras e sonhos, aromas e cores. Quero ter uma caixinha de lembranças ternas da troca de afeto que eu possar tocar, sentir, cheirar, enfim... que possa absorver com todos os sentidos. Isso faz todo sentido pra mim. Acho que está na hora de deixar de confiar tanto na memória, pois uma hora ela vai me trair e traição é uma merda.

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Tempo, tempo, tempo, tempo...

Ontem foi meu aniversário. Comemorei do jeito que gosto: junto dos que amo. Não todos, infelizmente. Ontem estive com os mais próximos, frequentadores da casa. Com os demais comemorarei depois... mais ainda haverá ausências muito sentidas. Enfim... morar longe de onde se nasceu e cresceu tem dessas.

Mas foi uma delícia. Muitas risadas, muita bebida, o número da aranha pra divertir, gente agarrando gente inesperadamente, jogatina, presentes literários que me me deixaram muito feliz, presente inesperado da amiga que mora longe batendo em minha porta, despedida da atriz espanhola que retorna ao seu país com o coração partido depois de se apaixonar pelos brasileiros, canções de minha afilhada linda... tudo lindo, tudo maravilhoso! Em momentos como esse eu me convenço mais do quanto sou feliz e do quanto sou privilegiada.

O tempo, "compositor de destinos" tem sido meu amigo. Em tudo e por tudo. Com sua passagem me sinto mais bonita, mais madura, mais preparada para a vida, mais tolerante, mais humilde diante da vida, mais senhora de mim. Me sinto menos ansiosa, menos arrogante, menos rancorosa, menos fatalista. Enfim... uma pessoa melhor, eu acho. Ainda tenho muito o que melhorar, mas com certeza ele me ajudará no desafio.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Duas mulheres. Uma emoção.

São Paulo é São Paulo...


e o carioca não é o tal!

Assim como aquela matéria especial de Veja, eu tenho 500 razões para amar São Paulo. A maior delas é sem dúvida o que a cidade pode proporciona em termos de enriquecimento cultural. Quando falo em enriquecimento cultural, falo de tudo: da diversidade cultural, sexual, gastronômica, das infinitas possibilidades de lazer, da produção intelectual e etc. Falo de tudo.

Um exemplo dos mais contundentes é o que está acontecendo aqui a partir de hoje: a Festa do Teatro. São 40.000 ingresso distribuidos gratuitamente para que a população possa assistir os melhores espetáculos teatrais em cartaz na cidade durante a semana. Esta é uma ação das mais relevantes em termos culturais. É pouco, muito pouco... mas é muito diante do quase nada que se faz em prol da arte neste país.

Para a grande maioria do público deste evento é a primeira vez que terão a oportunidade de entrar em um teatro como o da FAAP, que cobra no mínimo R$50,00 pelos espetáculos que abriga. Para muitos deles, talvez, seja a primeira vez que entrarão em um teatro. Isso é maravilhoso. Poder proporcionar isso para uma parte da populção que carece de tudo... levar um pouco de poesia para suas vidas. Este é o tipo de coisa que me emociona!

Em tempos de Big Brother, Tequileiras do Funk, Forró Universitário, Rebolation e afins... isto é um oásis no meio de um deserto de almas carentes de arte de qualidade. Cultura e arte não são só entretenimento. Arte é fundamental para a nossa formação. Nos humaniza. Ela está para a alma, assim como o "feijão e o arroz" estão para o corpo. Infelizmente, assim como o "feijão e o arroz", ela falta na vida de um monte de gente. Uma pena... perdem as pessoas e perde o país.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

:-)

Será que pra fazer um samba com beleza é preciso um bocado de tristeza mesmo?

Eu ando tão sem inspiração para escrever ultimamente... mas eu ando tão bem comigo, tão feliz. Queria poder traduzir isso em palavras escritas, que pudessem servir de lembrete permanente dos meus dias em azul... mas não consigo.

Gosto de escrever, gosto de viver. Mas entre escrever e viver feliz... eu prefiro viver feliz!!! Não quero que nenhuma tristeza pouse em meu coração ou me atormente o sono para que eu possa viver um momento inspirador.

"Felicidade se acha é em horinhas de descuido" já dizia Guimarães Rosa. E eu ando tão descuidada ultimamente. Sorte a minha.

Eu quero mais é naufragar em um mar de alegria, me embriagar com doses letais de felicidade. Doces deletérios. Quero a angústia de viver feliz sem saber porquê.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Por tudo que o amor me dizia ser certo...

"Se puder tocar no rádio" é o nome da música. Ela me lembra a minha adolescência em Santo Amaro, seguindo a canção pelos palcos da cidade. Passava dias e dias ouvindo Du Alves entoar seus versos e chorava, chorava... com dores de amor. Ia a todos os show que ele fazia. Esta canção foi a trilha sonora de uma história de amor das mais intensas que já vivi.

Estraguei tudo por vaidade, orgulho e a imaturidade típica de quem não sabe nada sobre a vida... e sobre o amor. Ao ouvir esta canção eu tomava consciência dos erros que cometi e hoje ao ouví-la tomo a consciência do quanto amadureci. "O tempo passou você sabe... meu erros, teus erros já não são os mesmos, é outra história que nos cabe."

Compartilho a letra da música com todos. Estou certa de que muitos se identificarão.

Se puder tocar no rádio
(Eduardo Alves)

Eu quero te ver novamente
No meio da nossa cidade
E sei que vai ser diferente de antes
O tempo passou você sabe
Meu erros, teus erros já não são os mesmos
É outra história que nos cabe...

Eu quis te fazer do meu jeito
De um modo que eu via tão cego
Por tudo que o amor me dizia ser certo
E quando te amei de verdade
Foi quando aceitei teus defeitos sinceros
Mas você já tinha ido

Pode nem fazer efeito
Mas eu canto pra tentar...
Se puder tocar no rádio
O daí, de onde você está
Que toque do meu jeito, mas confesso
De quem espera te esquecer em paz
Se você não voltar mais...


P.S.: A cantora Noeme Batos gravou a canção. Espero que um dia o talento deste artista santamarense seja reconhecido. Eu sempre disse que se tivesse dinheiro investiria nele. Quem sabe um dia...
Dia 04/06 ele fará um show em homenagem a Maria Bethânia, nossa conterrânea, no restaurante Tom do Sabor em Salvador. Pra quem tem a chance, vale muito a pena conferir.

terça-feira, 25 de maio de 2010

O amor é uma equação?

Poesia Matemática

Millôr Fernandes


Às folhas tantas
do livro matemático
um Quociente apaixonou-se
um dia
doidamente
por uma Incógnita.
Olhou-a com seu olhar inumerável
e viu-a do ápice à base
uma figura ímpar;
olhos rombóides, boca trapezóide,
corpo retangular, seios esferóides.
Fez de sua uma vida
paralela à dela
até que se encontraram
no infinito.
"Quem és tu?", indagou ele
em ânsia radical.
"Sou a soma do quadrado dos catetos.
Mas pode me chamar de Hipotenusa."
E de falarem descobriram que eram
(o que em aritmética corresponde
a almas irmãs)
primos entre si.
E assim se amaram
ao quadrado da velocidade da luz
numa sexta potenciação
traçando
ao sabor do momento
e da paixão
retas, curvas, círculos e linhas sinoidais
nos jardins da quarta dimensão.
Escandalizaram os ortodoxos das fórmulas euclidiana
e os exegetas do Universo Finito.
Romperam convenções newtonianas e pitagóricas.
E enfim resolveram se casar
constituir um lar,
mais que um lar,
um perpendicular.
Convidaram para padrinhos
o Poliedro e a Bissetriz.
E fizeram planos, equações e diagramas para o futuro
sonhando com uma felicidade
integral e diferencial.
E se casaram e tiveram uma secante e três cones
muito engraçadinhos.
E foram felizes
até aquele dia
em que tudo vira afinal
monotonia.
Foi então que surgiu
O Máximo Divisor Comum
freqüentador de círculos concêntricos,
viciosos.
Ofereceu-lhe, a ela,
uma grandeza absoluta
e reduziu-a a um denominador comum.
Ele, Quociente, percebeu
que com ela não formava mais um todo,
uma unidade.
Era o triângulo,
tanto chamado amoroso.
Desse problema ela era uma fração,
a mais ordinária.
Mas foi então que Einstein descobriu a Relatividade
e tudo que era espúrio passou a ser
moralidade
como aliás em qualquer
sociedade.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Eu apenas queria que você soubesse...

Hoje acordei com essa música na cabeça. Lembro do quanto fiquei sentida com a morte de Gonzaguinha, mesmo sendo criança. Sempre gostei de suas composições e considero sua partida precoce uma perda incomensurável para música popular brasileira, que hoje corre o risco de morrer de inanição.

"Eu apenas queria que você soubesse" diz muito sobre o meu momento... e eu quero que todo mundo saiba!

Eu Apenas Queria que Você Soubesse (Gonzaguinha)

Eu apenas queria
que você soubesse
Que aquela alegria
ainda está comigo
E que a minha ternura
não ficou na estrada
não ficou no tempo
presa na poeira

Eu apenas queria
que você soubesse
Que esta menina
hoje é uma mulher
E que esta mulher
é uma menina
que colheu seu fruto
flor do seu carinho

Eu apenas queria dizer
a todo mundo que me gosta
que hoje eu me gosto muito mais
porque me entendo
muito mais também
E que a atitude
de recomeçar
É todo dia, toda hora
É se respeitar
na sua força e fé
Se olhar bem fundo
até o dedão do pé

Eu apenas queria
que você soubesse
Que essa criança
brinca nessa roda
E não teme os cortes
das novas feridas
pois tem a saúde
que aprendeu com a vida

sábado, 15 de maio de 2010

Revés do tempo


De repente o telefone toca. Ela atende e imediatamente reconhece a voz. Era ele, depois de muito tempo que não se viam ou falavam. Deixaram de ser amigos. A sua supresa foi grande.

- Oi.

- Oi. A voz dele estava embargada.

- O que aconteceu?

- Ela me deixou! O choro dele saiu como água de represa que desaba.

Ela ficou muda por alguns segundos. Não sabia o que dizer. Depois falou:

- Estou indo aí. Você ainda mora no mesmo lugar?

Ela foi ao seu encontro. No caminho se perguntava por que, naquele momento difícil, era a ela quem ele recorria. Porque a escolheu para dividir sua dor... principalmente a dor do abandono? Ela sabia bem que dor era aquela e por isso não negou o colo, a escuta.

Ele abriu a porta cabisbaixo, mas não tinha como esconder a devastação que o fato havia lhe causado. Abraçaram-se emocionados. Permaneceram em silêncio, que só era quebrado pelos soluços e sons das lágrimas dele que caiam feito cascata dos olhos vermelhos. Assim permaneceram por um bom tempo.

Quando ele adormeceu em seu colo ela se foi. Lhe deixou um bilhete dizendo:

"Se precisar do meu silêncio de novo, estamos aí!"

Fechou a porta e saiu sorridente. Ele finalmente estava crescendo.